As medidas por parte do governo do presidente Michel Temer ao aprovar reformas da previdência e trabalhista valorizaram o real e têm mantido a moeda americana nos menores patamares desde junho de 2015. Ainda que o câmbio possa cair mais, o fundador da startup Bidollar (www.bidollar.com) Kenzo Tominaga é taxativo: não perca a oportunidade de fazer o câmbio agora, o mercado está no menor e melhor patamar.
Como sabemos a grande crise no mercado de compra e venda de aeronaves no Brasil tem alguns motivos, dentre eles, a Lava Jato que tirou vários possíveis clientes do mercado, a crise econômica e a valorização do dólar perante ao real. Aos poucos o país começa dar sinal  que o pior já ficou pelo caminho e quem está com reservas para investimentos e também aproveitou o memento do dólar na faixa dos R$ 4,00 e se desfez de suas aeronaves pode voltar ao mercado e repor a frota, pois o cambio favorece tal iniciativa.
Na Bidollar, plataforma gratuita para cotação e compra de moedas pela internet, um gráfico em tempo real permite acompanhar a variação do dólar com precisão de segundos. Segundo Tominaga, mais importante do que gastar tudo em um momento em que o dólar está baixo é espalhar as transações. “Em bons momentos do mercado como este, o ideal é fazer várias operações para garantir uma cotação média vantajosa a longo prazo”, explica ele.
Dessa forma, em um cenário em que há a possibilidade do câmbio se tornar ainda mais vantajoso, comprar dólares ainda assim é imperdível para quem tem viagens planejadas mesmo num futuro não tão próximo, avalia o fundador da Bidollar. “No entanto, grande parte das avaliações econômicas que têm sido feitas indicam que a bonança não deve continuar”, diz ele. “Há a expectativa de que o Fed, o equivalente ao Banco Central nos Estados Unidos, suba suas taxas de juros, o que desencadearia uma nova alta do dólar”, avisa.

                                                  Clique e leia gratuitamente todas as edições da aviação e mercado

Para Tominaga, a conjuntura é especialmente benéfica para quem vai comprar papel-moeda ou bens precificado em dólar.   O baixo preço do dólar ajuda também a mitigar os impostos dos cartões de crédito pré-pagos – opção mais interessante para quem planeja gastar mais durante a viagem, assim como para aqueles que vão encarar longos períodos no exterior.
O mercado já apresenta um aumento de 20% nas transações com dólar desde o começo do ano na comparação com o mesmo período de 2016. “Sem dúvida, tem muita gente aproveitando a baixa do dólar para fazer câmbio”, diz Tominaga.