Vai precisar de muita água para limpar mais um acusação na lava jato.

A cada novo passo da lava jato a Gol vai aparecendo cada vez mais enrolada com a operação e tendo que dar novas explicações e colaborações com a justiça para diminuir o peso contra a empresa.

Agora a empresa terá que explicar a delação do megadoleiro contraventor (para pegar leve), que acusa a Gol de participar da lavagem de dinheiro para compra de um brinquedinho para Eduardo Cunha.

A PF conseguiu rastrear a propina nas planilhas entregues por Lúcio Funaro.

Diz o Estadão:

“Constantino afirmou à Lava Jato ter feito pagamentos para Cunha e ao corretor Lúcio Funaro, em troca de apoio na liberação de valores do FI-FGTS.

São elas ‘pagamentos de Notas Fiscais emitidas por empresas de Lúcio Funaro’, ‘pagamentos realizados a terceiros, à ordem de Lúcio Funaro’, ‘pagamentos realizados diariamente às empresas do deputado Eduardo Cunha’, ‘pagamentos de Notas Fiscais de empresas de Lúcio Funaro para compra de um veículo Porsche Cayenne a Eduardo Cunha, com a troca de dinheiro vivo’ e ‘pagamentos de doações ao PMDB, em especial a Gabriel Chalita’.

Segundo Funaro, ‘o objetivo dessa operação era possibilitar que a empresa do Deputado Eduardo Cunha tivesse caixa oficial para pagar um veículo Porsche Cayene adquirido da empresa Auto Miami’”.