Pouco mais de três meses depois do Sindag ter firmado parceria com a Bayer para integrar a Rede Agroservices – Pelo desenvolvimento do Agronegócio, algumas aeroagrícolas já estão tendo retorno pela iniciativa. A Rede Agroservices tem, entre suas vantagens, um Programa de Pontos pelo qual os produtores rurais que compram insumos da fabricante podem trocar esse bônus pelo serviço de pulverização aérea. Mas para poder ser pago via créditos do produtor, o operador aeroagrícola precisa ser associado do Sindag e ter o selo, em qualquer nível, do programa Certificação Aeroagrícola Sustentável (CAS).

Entre quem já se beneficiou, estão as empresas Aerotek e Aerotex Aviação Agrícola (respectivamente, de Quirinópolis e Rio Verde/GO), Fort Aviação Agrícola (Rio Verde/GO) e a Tenoar Aviação Agrícola (Chapadão do Sul/MS). Segundo o diretor da Tenoar, Valter Tenório da Costa, a parceria tem se mostrado bastante interessante. “Iniciamos há 20 dias e já fizemos 7,5 mil hectares”, conta, sobre o volume de aplicações realizadas com bônus dos produtores, após a empresa ter se cadastrado no programa da Bayer.

A opinião é compartilhada por Beto e Tiago Textor (pai e filho, respectivamente, da Aerotex e da Aerotek Aviação Agrícola). Na verdade, “veteranos” do programa, já que as empresas tinham parceria com a Bayer antes do convênio do sindicato com a fabricante. “Já voamos aproximadamente uns 15 mil hectares pela troca de pontos”, assinala Tiago. “Temos notado a busca dos clientes por informações sobre a troca de pontos e também somos procurados por produtores que não utilizavam a aviação anteriormente”, completa.

Já o diretor da Fort, Clertan Alves Macedo, conta que a empresa sul-matogrossense está se preparando para atender aos primeiros produtores pela troca de pontos. “Temos na agenda 2,5 mil hectares em milho para a safrinha, a partir de 20 de março”.

                                                                                   Clique e leia gratuitamente todas as edições da aviação e mercado

COMO PARTICIPAR

As empresas de aplicação aérea que quiserem participar da Rede Agroservices, podem entrar em contato com o SINDAG para saber como se cadastrar e quais as regras do programa. A ideia é também atrair as empresas não-sócias para que se filiem ao sindicato, para que possam aproveitar os benefícios e ainda fortalecer o setor aeroagrícola brasileiro.

A ação faz parte da estratégia de fortalecer o sindicato aerogrícola, oferecendo cada vez mais novos benefícios para os associados. Isso além de valorizar o CAS, que é apoiado pelo Sindag e também tem apoio da Bayer, através da Andef.  No caso do pré-requisito da certificação, a exigência deve aumentar nos próximos anos. A Rede Agroservices pede Nível I no primeiro ano, mas a ideia é subir a régua nos anos seguintes, exigindo das empresas o Nível 2 do e depois o Nível 3.